“Rio Cidade Olímpica” e a construção de uma (nova) imagem para a Zona Portuária do Rio de Janeiro

Publicado
2017-10-13

    Autores

  • Ana Beatriz da Rocha Escola Superior de Desenho Industrial - Universidade do Estado do Rio de Janeiro (ESDI/ UERJ)
  • Paulo Reis Escola Superior de Propaganda e Marketing - Rio de Janeiro (ESPM-Rio)

Resumo

Como parte das políticas neoliberais vigentes desde 1990, onde “cultura” tem sido um importante elemento nos processos de regeneração urbana, políticos e investidores vêm adotando amplamente o discurso de como a transformação (física e simbólica) de áreas (centrais, litorâneas e/ou portuárias) degradadas e a criação de novas identidades para as cidades impulsionam um novo ciclo de investimentos/ especulação – que, eventualmente, levaria à prosperidade econômica. Aliadas à inserção de arquiteturas espetaculares, estas políticas de transformação urbana promovem uma completa ressignificação dos espaços públicos, que passam a ser identificados como “bens de consumo” (cultural), avidamente consumidos por um público cada vez maior e mais diversificado.

Seguindo esta lógica, grandes projetos de regeneração urbana vêm sendo comissionados, desenvolvidos e implementados com o intuito de não só “consertar” políticas urbanas ineficientes mas, principalmente, de reverter o processo de declínio socioeconômico visto em cidades pós-industriais – sobretudo as litorâneas. Um dos principais aspectos deste fenômeno é a (re)invenção das cidades através do (re)desenho de suas áreas vazias, onde novas arquiteturas (espetaculares) e a ressignificação dos espaços públicos degradados visam alterar a imagem do lugar. Estes “novos” espaços reconfigurados passam a atrair um novo público e, consequentemente, inicia-se um novo ciclo de circulação de capital. De forma a impulsionar o consumo destes “novos” lugares, surge uma série de rótulos como “capital cultural”, “cidade criativa”, “cidade inteligente”, etc... que passam a ser bastante disputados, gerando uma grande competitividade entre as cidades.

Mas estes processos de reinvenção não são impunes – particularmente se considerarmos como padrões culturais existentes são manipulados de forma a promover uma “nova” identidade para as cidades. E é isso que torna interessante o processo de transformação que vem acontecendo na Zona Portuária do Rio de Janeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ABREU, M. A. Evolução Urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IPLANRIO, 1997

BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001

BERENSTEIN, P. J. Espetacularização Urbana Contemporânea in: Cadernos PPG-AU/ FAUBA. Salvador: UFBA, 2004, pp 23-29

BIANCHINI, F.: PARKINSON, M. (eds). Cultural Policy and Urban Regeneration. Manchester: Manchester University Press, 1993

CARDOSO, E. D.; VAZ, L. F.: ALBERNAZ, M. P.; PECHMAN, R. M. História dos Bairros. Saúde, Gamboa, Santo Cristo – zona portuária. Rio de Janeiro: João Fortes Engenharia/ Editora Index, 1987

DA ROCHA, A. B.; REIS, P. The gentrified version of the Bossa-Nova dream – the process of change of the beach environment in Rio de Janeiro in: Resorting to the Coast: Tourism, Heritage and Cultures of the Seaside. Proceedings. Leeds Metropolitan University, Centre for Tourism and Cultural Change, UK (digital media – ISBN: 978-1907240027)

DA ROCHA, A. B.; REIS, P. Culture as a mega-event – how do heritage and local identity fit in the cosmopolitan image of the city? in COOPER, F.; GREENE, M.; MACHADO, D. P.; SCHEERLINCK, K.; SCHOOLJANS, Y. ADU2020 Creative Adjacencies. Ghent: Faculty of Architecture KU Leven; Facultad de Arquitectura, Diseño y Estudios Urbanos, PUC-Chile, 2014, pp 285-295

EGLER, T. T. C. Políticas globais e resistência social na Zona portuária in: Anais do XI Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional – ANPUR, Salvador, 2005 (http://www.xienanpur.ufba.br/664.pdf)

GIANNELLA, L. C. A produção histórica do espaço portuário da cidade do Rio de Janeiro e o projeto Porto Maravilha in: Espaço e Economia, 3, 19 dezembro 2013 (http://espacoeconomia.revues.org/445)

GUIMARÃES, R. S. A utopia da Pequena África: projetos urbanísticos, patrimônios e conflitos na Zona Portuária. Rio de Janeiro: FAPERJ/ FGV editora, 2014

HARVEY, D. The condition of postmodernity: an enquiry into the origins of cultural change. London: Blackwell, 1989

IPLANRIO. Plano de Desenvolvimento Urbano da Retaguarda do Porto do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Planave S. A., 1989

JACOBS, J. Morte e vida nas grandes cidades. São Paulo: WMF. Martins Fontes, 2014

LEFEBVRE, H. La production de l’espace. Paris: Anthropos [1974], 2000

___. Le droit à la ville. Paris: Ed. du Seuil, 1968

LOFTMAN, P.; NEVIN, B. Prestige Projects, City Centre Restructuring and Social Exclusion: taking the long-term view in MILES, M.; HALL, T. Urban Futures: critical commentaries on shaping cities. London: Routledge, 2001, pp 76-91

MOREIRA, C. C. A cidade contemporânea entre a tábula rasa e a preservação: cenários para o porto do Rio de Janeiro. São Paulo: Unesp, 2004

MARSHALL, R. (ed). Waterfronts in Post-industrial Cities. London: Spoon Press, 2001

NORA, P. Les lieux de mémoire, v 1, Paris: Gallimard, 1984

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Porto do Rio: Plano de Recuperação e Revitalização da Região Portuária do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos, 2001

___. Plano Diretor Decenal de 1992: subsídios para sua revisão in: Coleção Estudos Cariocas. Rio de Janeiro: IPP e SMU, nº 2005/203, dez 2005 (www.armazemdedados.rio.rj.gov.br)

___. Relatório de Revisão do Plano Decenal da Cidade. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Urbanismo, Coordenadoria Geral de Planejamento Urbano, dez 2008

___. Plano Estratégico da Cidade do Rio de Janeiro. Rio Sempre Rio. Rio de Janeiro: PCRJ/ ACRJ/ FIRJAN, 1996

___. Programa Favela-Bairro. Secretaria Municipal de Habitação/ IplanRio/ Rio de Janeiro: PCRJ, maio 1996

RIOARTE/ IPLANRIO. Corredor Cultural: como recuperar, reformar ou construir seu imóvel. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, 1985

SANT’ANNA. A. R. Desconstruir Duchamp: arte na hora da revisão. Rio de Janeiro: Vieira & Lent, 2003

SCHUMPETER, J. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1961

VAZ, L. F. A ‘Culturalização’ do Planejamento e da Cidade in: Cadernos PPG-AU/ FAUBA. Salvador: UFBA, 2004, pp 31-42

ZUKIN, S. Socio-Spatial Prototypes of a New Organization of Consumption: the role of Real Cultural Capital in: Sociology, vol 23, nº 1, February 1990, pp 37-56

Como Citar
DA ROCHA, A. B.; REIS, P. “Rio Cidade Olímpica” e a construção de uma (nova) imagem para a Zona Portuária do Rio de Janeiro. Revista Thésis, Rio de Janeiro, v. 2, n. 4, 2017. DOI: 10.51924/revthesis.2017.v2.102. Disponível em: https://thesis.anparq.org.br/revista-thesis/article/view/102. Acesso em: 2 out. 2022.