A construção da ideia de patrimônio moderno no Brasil: valorações e práticas dos anos 1940 aos 2000

Publicado
2021-03-31
Palavras-chave: arquitetura moderna, tombamentos, IPHAN modern architecture, listings, IPHAN arquitectura moderna, declaración del patrimo- nio cultural, IPHAN

Resumo

O presente artigo pretende discutir a construção da ideia de patrimônio moderno no Brasil a partir das ações do Iphan - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, do Inepac – Instituto Estadual do Patrimônio cultural e do Condephaat – Conselho Estadual do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico. Problematizando as primeiras ações de tombamento e os entrelaçamentos entre historiografia e patrimônio, pretende-se colocar em debate os crivos teóricos e as práticas discursivas do patrimônio no Brasil dos anos 1940 até os tombamentos icônicos, como os da obra completa de Oscar Niemeyer em 2007, por ocasião de seu centenário. Pretende-se debater as suas atribuições de valor, os entrelaçamentos com a história da arquitetura, as consagrações das individualidades arquitetônicas, pensando caminhos de seleção mais problematizadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

BRANDÃO, M. Patrimônio na agenda do desenvolvimento e o PAC-CH em São Paulo: estratégias e debates nos anos 2000. Dissertação (Mestrado em História e Fundamentos da Arquitetura) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, 2020.

CAMPOFIORITO, Ítalo. “Muda o mundo do patrimônio” Revista do Brasil, nº 4. Rio de Janeiro: Secretaria de Estado de Ciência e Cultura, Rioarte, 1985.

CAVALCANTI, L. (org.). Modernistas da repartição. Rio de Janeiro: Iphan/ EdUFRJ, 2001.

FIGUEIREDO, V. G. B. Da tutela dos monumentos à gestão sustentável das paisagens culturais complexas: inspirações à política de preservação cultural no Brasil. Tese (Doutorado em Planejamento urbano e regional) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2014.

LARA, F. M Modernismo Popular: Elogio Ou Imitação? Cadernos de Arquitetura e Urbanismo, v. 12, n. 13, p. 171-184, dez. 2005.

LIRA, J. T. C. Warchavchik: fraturas da vanguarda. São Paulo: Cosac & Naify, 2011.

MAGALHÃES, M. O. Patrimônio cultural e tecnologia social: experiências de preservação e propostas de participação para a Vila Serra do Navio/AP na Amazônia. Dissertação (Mestrado Profissional) Iphan – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Rio de Janeiro, 2020.

MARINS, P. G. Novos patrimônios, um novo Brasil? Um balanço das políticas patrimoniais federais após a década de 1980. In Estudos Históricos. v.29, n.57, p. 9-28, janeiro-abril 2016.

MARTINS, C. “Hay algo de irracional...” Block, Buenos Aires, n. 4, pp. 8-22, dez. 1999.

MARTINS, C. “Trama historiográfica e objeto moderno”, Entrevista concedida a Julyane Poltronieri e Maíra Piccolotto. Desígnio, nº 11/12, mar. 2011.

MOTTA, L. Patrimônio urbano e memória social: práticas discursivas e seletivas de preservação cultural, 1975 a 1990. Dissertação (Mestrado) Memória Social e Documento UniRio. Rio de Janeiro: 2000.

NASCIMENTO, F. B. “Preservando a arquitetura do século XX: o Iphan entre práticas e conceitos”. Cadernos do PROARQ (UFRJ), v. 19, p. 172-193, 2013.

______. Blocos de Memórias: habitação social, arquitetura moderna e patrimônio cultural. 1a. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo / Fapesp, 2016.

_______. “A arquitetura moderna e o Condephaat no desafio das práticas seletivas”. REVISTA CPC (USP), v. 13, p. 116-140, 2019.

PAIVA, M. C. O Brasil segundo o IPHAN: a preservação do patrimônio cultural brasileiro durante a gestão de Gilberto Gil no MinC (2003-2008). Tese (Doutorado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

PEREIRA, D. C. “Cidade, patrimônio e território: as políticas públicas federais de seleção no Brasil do século XXI”. REVISTA CPC (USP), v. 21, p. 36-70, 2016.

PEREIRA, D. C. Entre a reificação da arquitetura modernista e o apagamento da memória: o caso de Cataguases - MG. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, 2016a, 7(1), 46-57.

PEREIRA, D. C. Cidade, patrimônio e território: as políticas públicas federais de seleção no Brasil do século XXI. REVISTA CPC (USP), v. 21, p. 36-70, 2016.

PISSATO, C. S. Tombamento e gestão em Iguape/SP: políticas do patrimônio cultural nos anos 2000. Dissertação (Mestrado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) FAU USP. São Paulo: 2018.

RODRIGUES, M. Imagens do passado: a instituição do patrimônio em São Paulo, 1969-1987. São Paulo: Unesp / Imprensa Oficial do Estado / Condephaat / Fapesp, 2000.

RODRIGUES, C. N. Territórios do patrimônio: tombamentos e participação social em São Paulo. Dissertação (Mestrado) – Programa de Geografia Humana FFLCH USP, São Paulo, 2001.

SCIFONI, S. A construção do patrimônio natural. Tese (Doutorado) Geografia Humana FFLCH/USP. São Paulo, 2006.

WOLFF, S. “Arquitetura moderna paulista – a preservação oficial”. Texto apresentado no I Seminário Docomomo Vale do Paraíba. São Paulo, mimeo, 2007.

WOLFF, S. F. S.; ZAGATO, J.A. C. “A preservação do patrimônio moderno no Estado de São Paulo pelo Condephaat”. Arquitextos, São Paulo, ano 17, n. 194.07, Vitruvius, jul. 2016.

Como Citar
NASCIMENTO, F. B. do. A construção da ideia de patrimônio moderno no Brasil: valorações e práticas dos anos 1940 aos 2000. Revista Thésis, Rio de Janeiro, v. 5, n. 9, 2021. DOI: 10.51924/revthesis.2020.v5.239. Disponível em: https://thesis.anparq.org.br/revista-thesis/article/view/239. Acesso em: 1 out. 2022.