Dados urbanísticos: quem controla o que sabemos sobre as favelas?

Obra resenhada: MAIA, Flavia Neves. “Urbanismo smart e a política da visibilidade digital: mapeando informalidade na cidade do Rio de Janeiro (2008-2016)” Tese de Doutorado

Publicado
2021-03-31
Palavras-chave: Urbanismo, digital, informalidade, Rio de Janeiro

    Autores

  • Clarissa Freitas UFC

Resumo

Todo processo decisório coletivo parte de um denominador comum de conhecimento sobre o assunto em discussão. A pauta do desenvolvimento urbano requer que as informações sejam espacializadas, caso contrário perde-se a relação entre os processos sociais e as transformação do ambiente construído. Até pouco tempo, a produção de plantas, croquis e
mapas demandava muitos recursos, e por essa razão a atividade era facilmente monopolizada pelos grupos dominantes, via de regra agentes estatais ou setores privados interessados em influenciar os rumos do processo de produção da cidade. O atual contexto de digitalização das relações sociais desestabiliza o processo tradicional de representação das questões urbanas adicionando novas camadas de desigualdades, cujos efeitos estamos apenas começando a desvendar. Entre uma visão celebratória - que pressupõe o potencial democratizante da produção e manipulação de dados digitais - e uma visão pessimista - que considera inexorável o controle da esfera pública por corporações privadas - há um interessante debate. A dissertação de Flavia Maia, intitulada “Urbanismo smart e a política da visibilidade digital: mapeando informalidade na cidade do Rio de Janeiro (2008-2016)”, contribui para avançarmos, adicionando nuances importantes à esta discussão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Cardoso, A. C. D. (2007). O espaço alternativo: Vida e forma urbana nas baixadas de Belém.

Editora Universitária UFPA.

Costa Lima, M. Q., Freitas, C. F. S., Cardoso, D. R., Lima, M. Q. C., Freitas, C. F. S., & Cardoso,

D. R. (2019). Modelagem da informação para a regulação urbanística dos assentamentos

precários em Fortaleza. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 11. https://doi.

org/10.1590/2175-3369.011.e20180199

Freitas, C. F. S. (2019). Insurgent planning? Insights from two decades of the Right to

the City in Fortaleza, Brazil. City: analysis of urban trends, culture, theory, policy, action,

(3), 285–305. https://doi.org/10.1080/13604813.2019.1648030

Miraftab, F. (2012). Planning and Citizenship. In The Oxford handbook of urban planning

(p. 1180–1204). https://urban.illinois.edu/images/miraftabPDFs/Miraftab-OHP-final.pdf

Como Citar
FREITAS, C. Dados urbanísticos: quem controla o que sabemos sobre as favelas? Obra resenhada: MAIA, Flavia Neves. “Urbanismo smart e a política da visibilidade digital: mapeando informalidade na cidade do Rio de Janeiro (2008-2016)” Tese de Doutorado. Revista Thésis, Rio de Janeiro, v. 5, n. 9, 2021. DOI: 10.51924/revthesis.2020.v5.252. Disponível em: https://thesis.anparq.org.br/revista-thesis/article/view/252. Acesso em: 6 fev. 2023.