Reconstituição histórica temporal da Exposição Internacional do Centenário da Independência

Publicado
2022-12-21
Palavras-chave: Rio de Janeiro, História urbana, Exposição, Representação gráfica, mapeamento digital Rio de Janeiro, Urban history, Exhibition, Graphic representation, Digital mapping Rio de Janeiro, História urbana, Exposición, Representación gráfica, Mapeo digital

Resumo

A Exposição Internacional do Centenário da Independência do Brasil teve lugar entre o desmonte do Morro do Castelo e respectivo aterramento da Praia de Santa Luzia, no Rio de Janeiro, em 1922/23. Bastante estudada por diversas disciplinas, a comemoração oficial do centenário, prestes a completar 100 anos, já foi motivo de publicações na área dos estudos urbanísticos e arquitetônicos, com destaque para os textos de Ângela Martins (1998), Ruth Levy (2010), Raquel Coutinho da Silva (2012), e Margareth Pereira (2013). No entanto, tendo durado 10 meses, entre setembro de 1922 e julho de 1923, o recinto da exposição, com seu arruamento, tratamento paisagístico, mobiliário urbano, e pavilhões, não pode ser considerado uma obra acabada conforme levam a entender os mapas e fotografias divulgados pelos órgãos oficiais da comemoração. As obras levadas a cabo pelo Prefeito Carlos Sampaio (KESSEL, 2001) e o aumento considerável do número de automóveis e visitantes, as mudanças provocadas pela iluminação pública noturna, o costume do veraneio e eventos da cidade, como o Carnaval, transformavam continuamente o espaço da exposição, que nunca funcionou com todos os pavilhões em atividade. As constantes mudanças nas diretrizes e projetos fizeram com que a exposição fosse inaugurada com apenas cinco pavilhões abertos ao público e fechada quando cinco dos principais pavilhões já estavam vazios. O mesmo pode ser falado sobre o espaço livre do certame, o qual não é encontrado nenhuma representação documental.

O objetivo desta pesquisa é reconstituir e analisar o recinto da exposição, afim de preencher as lacunas encontradas. Esta análise se dará por meio de um mapa temporal, com intuito de recriar um documento do certame. acreditamos poder, desta forma, visualizar o cenário das comemorações em sua verdadeira dimensão urbana

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ARGAN, Giulio Carlo. História da Arte como História da Cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

COSTA, Julia Furia. O Culto da Saudade: História e passado na criação do Museu Histórico Nacional (1922-1924). Dissertação (Mestrado em História), UnB. Brasília, 2013.

CULLEN, Gordon. Paisagem Urbana. Lisboa: Edições 70, 1996.

KESSEL, Carlos. A Vitrine e o Espelho. O Rio de Janeiro de Carlos Sampaio. Rio de Janeiro: SEC/DGDIC/AGCRJ, 2001.

Livro de Ouro Commemorativo do Centenário da Independência do Brasil e da exposição internacional do Rio de Janeiro (1822 a 1922-23). Rio de Janeiro: Annuario do Brasil (Almanak Laemmert), setembro de 1923.

LEVY, Ruth. A Exposição do Centenário e o meio arquitetônico carioca no início dos anos 20. Rio de Janeiro: EBA/UFRJ, 2010.

LEVY, Ruth. 1922|2012 90 anos da Exposição do Centenário. Rio de Janeiro: Casa 12, 2013.

MARTINS, Ângela. “A Exposição Internacional de 1922 no Rio de Janeiro: um espaço urbano turístico na jovem república brasileira”. In: RIO, Vicente del (org.) Arquitetura: pesquisa & projeto. Rio de Janeiro: FAU UFRJ, 1998 (Coleção PROARQ), pp. 121-146.

MOTTA, Marly. A Nação faz 100 anos: a questão nacional no centenário da independência. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1992.

PAMPLONA, Patrícia. Rio Pelo Alto 2: Panoramas da Cidade do Rio de Janeiro 1910 - 1920. Rio de Janeiro: Id Cultural, 2017.

PEREIRA, Margareth. “As duas faces de Jano” in: LEVY, Ruth. 1922|2012 90 anos da Exposição do Centenário. Rio de Janeiro: Casa 12, 2013.

PINHEIRO, Maria Lúcia Bressan. Neocolonial, Modernismo e Preservação do Patrimônio no Debate Cultural dos Anos 1920. São Paulo: EDUSP/FAPESP, 2011.

SANTUCCI, Jane. Babélica Urbe - O Rio nas crônicas dos Anos 20. Rio de Janeiro: RioBooks, 2015.

SILVA, Rachel Coutinho da. “El Centenario en Rio de Janeiro: ideologia, planeamento y remodelación urbana”. In: GUTMAN, M.; MOLINOS, R. (Orgs.). Construir bicentenarios latinoamericanos en la era de la globalización. Buenos Aires: Infinito, 2012. pp. 331-348.

VILAS BOAS, Naylor. A Esplanada do Castelo: Fragmentos de uma História Urbana. Tese (Doutorado em Urbanismo), PROURB/UFRJ. Rio de Janeiro: 2007.

Como Citar
DRAGO, N.; VILASBOAS, N.; GUEDES BATISTA NETO, S. Reconstituição histórica temporal da Exposição Internacional do Centenário da Independência. Revista Thésis, Rio de Janeiro, v. 7, n. 14, 2022. DOI: 10.51924/revthesis.2022.v7.327. Disponível em: https://thesis.anparq.org.br/revista-thesis/article/view/327. Acesso em: 15 jul. 2024.