Reflexão sobre a significação da água no espaço urbano de Macapá - AP

Publicado
2022-10-16
Palavras-chave: cidade de MAcapá - AP, espaço urbano, significação, Rio Amazonas city of Macapá-AP, urban space, significance, Amazon river ciudad de Macapá-AP, espacio urbano, significado, rió Amazonas

Resumo

O artigo reflete sobre a relação entre a significação e a produção de espaço urbano na cidade de Macapá-AP. Localizada na região amazônica e às margens do Rio Amazonas, a cidade tem suas origens atreladas a uma disputa territorial que configura um momento importante em sua história e no seu processo de formação espacial. Neste trabalho encontramos uma breve apresentação sobre a percepção do espaço associada a construção da cidade, sendo que em sua estrutura é abordado os temas da relevância das significações contruídas no espaço amazônico e o desenvolvimento de Macapá como um produto histórico-social. Esta discussão faz parte de uma pesquisa de doutorado em andamento cujo tema é compreender as vivências e os traçados que procedem do Rio Amazonas como elemento configurador do espaço urbano.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

BARBOSA, Camilla S. Planos e Usos na Orla de Belém-PA. 183f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Instituto de Tecnologia, Universidade Federal do Pará, 2018.

BRITO, Jaqueline F. de L. A Fortaleza de Macapá como monumento e a cidade como documento histórico. 264 f. Dissertação (Mestrado) – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural, Rio de Janeiro, 2014.

CARLOS, A. F. A. O Espaço Urbano: Novos Escritos Sobre a Cidade. São Paulo: FFLCH, 2007.

COLE, H. J. Associados S.A. Brasil. Consultoria de Planejamento Urbano, Arquitetura e Turismo. Documento síntese. Rio de Janeiro, 1977.

CORRÊA, Roberto L. O Espaço Urbano. São Paulo: Editora Ática, 1989.

CORBIN, Alain. O território do vazio: a praia e o imaginário ocidental. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

COSGROVE, Denis. Observando la Natureza: el Paisaje y el Sentido Europeo de la Vista. Boletin de la A.G.E, nº 34, 2002.

FAUSTO, Boris. História Concisa do Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.

FEBVRE, L. O Reno: história, mitos e realidades. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

G1 AMAPÁ. Justiça cumpre reintegração de posse de 92 casas em área da Infraero em Macapá. Disponível em: < https://g1.globo.com/ap/amapa/noticia/2018/08/27/justica-cumpre-reintegracao-de-posse-de-92-casas-em-area-da-infraero-em-macapa.ghtml> Acesso em: 16 set. 2019.

_________. Perpétuo Socorro, ou ‘P. Help’, é o bairro com a ‘cara’ de Macapá. Disponível em: < http://g1.globo.com/ap/amapa/noticia/2016/02/perpetuo-socorro-ou-p-help-e-o-bairro-com-cara-de-macapa.html> Acesso em: 16 set. 2019.

GOTTDIENER, M. A Produção do Espaço Social. São Paulo: EDUSP, 1985.

HAN, Byung-Chul. O que é o poder? Petrópolis, RJ: Vozes, 2019.

HARVEY, D. Do Gerenciamento ao Empresariamento: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio. São Paulo: Espaço & Debates, n. 39, pp. 48-64, 1996.

LAMAS, J. M. R. G. Morfologia Urbana e Desenho da Cidade. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2004.

LEFEBVRE, Henri. Espaço e Política. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2008.

MANTHORNE, K. O Imaginário Brasileiro para o Público Norte-Americano do Século XIX. Revista USP, Brasil, n. 30, p. 58-71, 1996.

McHARG, I. L. Design with Nature. New York: American Museum of Natural History,1971.

MEINIG, D. O olho que observa: dez versões da mesma cena. Espaço e Cultura, n. 13, 2002.

PAULA, E. Os saberes e valores indígenas transformando os processos de escolarização. Saberes e Identidades: Povos, Culturas e Educações. R. Educ. Públ. Cuiabá, v. 26, n. 62/1, p. 355-372, maio/ago. 2017

PIZARRO, Ana. Amazônia: as vozes do rio. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

PESAVENTO, Sandra J. Cidade, Espaço e Tempo: reflexões sobre a memória e o patrimônio urbano. Cadernos do LEPAARQ – Textos de Antropologia, Arqueologia e Patrimônio.V. II, nº 4. Pelotas: Editora da UFPEL. Ago/Dez 2005.

PONTE, 2010. Cidade e Água no Estuário Guajarino. 318 f. 2010. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Planejamento Urbano e Regional. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

REIS, Arthur C. F. Território do Amapá – Perfil Histórico. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional, 1949.

RODRIGUES, Randolfe. Amapá: a epopeia de um povo! Disponível em: < https://congressoemfoco.uol.com.br/opiniao/colunas/amapa-a-epopeia-de-um-povo/> Acesso em: 10 set. 2019

RONCAYOLO, Marcel. Le Géographe dans as Ville. Parenthèses, 2016.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço. São Paulo: Editora

da Universidade de São Paulo, 2006. - (Coleção Milton Santos; 1).

________. O Tempo nas Cidades. Coleção Documentos, série Estudos sobre o Tempo, fascículo 2, fevereiro de 2001.

SCHAMA, Simon. Paisagem e memória. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SILVA, Suéllen C. de O. da. Orlas fluviais das cidades de Macapá e Santana: análise da dinâmica urbana. 143 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Amapá, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Macapá, 2017.

TUAN, Y. Topofilia: um estudo de percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: DIFEL/Difusão Editorial SA, 1974.

XIMENES, Tereza. O barco na vida do ribeirinho. In: _______. et al. Embarcações,

homens e rios na Amazônia. Belém: UFPA, 1992. p. 53-72.

Como Citar
BARBOSA, C. Reflexão sobre a significação da água no espaço urbano de Macapá - AP. Revista Thésis, Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, 2022. Disponível em: https://thesis.anparq.org.br/revista-thesis/article/view/328. Acesso em: 6 dez. 2022.