Arquitetura como resistência: Autoprodução da moradia popular no Maranhão

Publicado
2022-04-19
Palavras-chave: arquitetura popular, autoprodução da moradia, Maranhão popular architecture, housing self-production, Maranhão arquitectura popular, autoprodución de la vivienda, Maranhão

Resumo

Perante o agravamento das condições de vida dos despossuídos e das limitações das políticas habitacionais, a autoconstrução persiste como alternativa nacional para a moradia popular. Estudando diferentes grupos sociais em assentamentos populares rurais e urbanos do Maranhão, pesquisa recente constatou que, diferentemente dos procedimentos padronizados do Estado, os processos construtivos populares consideram estrutura familiar, formas de ocupação da terra, práticas produtivas e acesso à renda. Ao exigir capacidade de gerenciamento e resultando em contribuições arquitetônicas significativas para os modos de morar dos que vivem sob adversidades, tais práticas representam exercícios de autonomia e resistência dos despossuídos na qualificação dos seus espaços de vida e afirmação de desejos e capacidades.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ALMEIDA, A. W. Terra de quilombo, terras indígenas, “babaçuais livre”, “castanhais do povo”, faixinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. Manaus: PGSCA–UFAM, 2008.

ARCANGELI, A. O mito da terra: uma análise da colonização da pré-Amazônia maranhense. São Luís: Editora UFMA, 1987.

BOSCHI, R. (Org.) Movimentos coletivos no Brasil urbano. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1983.

BRASIL. Lei nº 11.888, de 24 de dezembro de 2008. Disponível em em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11888.htm>. Acesso em 12 jun. 2020.

BURNETT, F. L. Planejamento e gestão de cidades no Maranhão: o executivo municipal e o controle do solo urbano. São Luís: Editora Uema, 2016.

CABRAL, M. S. Caminhos do gado: conquista e ocupação do sul do Maranhão. São Luís: SIOGE, 1992.

CAU-BR/DATAFOLHA. O maior diagnóstico sobre Arquitetura e Urbanismo já feito no Brasil. Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil/Datafolha Instituto de Pesquisa, 2015. Disponível em <https://www.caubr.gov.br/pesquisa2015/> Acesso em: 08 jul. 2016.

CHAUÍ, M.; MOISÉS, J. A.; BRESSER PEREIRA, L. C. O governo da cidade e a utopia. In: Debate em E & D, NERU. São Paulo: Cortez, 1982, pp. 88-105.

CONCEIÇÃO, M. Essa terra é nossa. Petrópolis, RJ: Vozes, 1980.

COSTA, A.; RODRIGUES, C. Estratégias de Sobrevivência de Famílias em Luanda e Maputo. As ciências sociais nos espaços de língua portuguesa: balanços e desafios - Actas do VI Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais, Faculdade de Letras da U. Porto (FLUP), 2002, p. 113-122. Disponível em <http://hdl.handle.net/10071/6331> Acesso em 03 mar. 2019.

COSTA, L. C. B. Arraial e Coronel: dois estudos de história social. SP: Cultrix, 1978.

FERREIRA, J. S. W. (Coord.) Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo brasil urbano. São Paulo: FAUUSP/FUPAM, 2012. Disponível em <http://www.labhab.fau.usp.br/project/produzir-casas-ou-construir-cidades-desafios-para-um-novo-brasil-urbano/> Acesso em 12 jul. 2020.

KAPP, S. Autonomia heteronomia arquitetura. Cadernos de Arquitetura e Urbanismo, Belo Horizonte, v. 10, n. 11, p. 95-105, dez. 2003. Disponível em <http://periodicos.pucminas.br/index.php/Arquiteturaeurbanismo/article/view/760> Acesso em 03 mar. 2019

KAPP, S. Grupos sócio-espaciais ou a quem serve a assessoria técnica. Rev. Bras. Estud. Urbanos Reg., São Paulo, V.20, N.2, p.221-236, mai.-ago. 2018, p. 221-236. https://doi.org/10.22296/2317-1529.2018v20n2p221

KAPP, S.; NOGUEIRA, P.; BALTAZAR, Ana Paula. Arquiteto tem sempre conceito, esse é o problema. IV. Projetar 2009 - Projeto como Investigação: Ensino, Pesquisa e Prática FAU-UPM, outubro 2009, S. Paulo, Brasil. Disponível em <http://www.mom.arq.ufmg.br/mom/01_biblioteca/arquivos/kapp_09_arquiteto_sempre_tem.pdf> Acesso em: 08 jul. 2019

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Centauro 2001.

MARICATO, E. Autoconstrução, a Arquitetura Possível In MARICATO, E. (Org.) A Produção Capitalista da Casa (e da Cidade) no Brasil Industrial. São Paulo: Alfa-Ômega, 1982, p. 71-93.

MIQCB. Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu: Maranhão, Piauí, Pará e Tocantins. Disponível em <https://www.miqcb.org/quem-somos> Acesso em 20 mar. 2020.

PETRINI, G; ALCÂNTARA, M. A. R.; MOREIRA; L. V. C.; REIS, L. P.; FONSECA, R. S. S. C.; DIAS, M. C. Família, capital humano e pobreza: entre estratégias de sobrevivência e projetos de vida. Memorandum, 22 abr. 2012 Belo Horizonte: UFMG; Ribeirão Preto: USP ISSN 1676-1669. Disponível em <https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/issue/view/359> Acesso 15 jan. 2019.

SAMPAIO, M. R. A. A casa brasileira. Revista USP, mar./mai., 1990, pp: 113-116.

SANTOS, J. A. F. Posições de Classe Destituídas no Brasil In SOUZA, J. A ralé brasileira: Quem é e como vive. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG, 2009, p. 463-478. Disponível em <http://flacso.redelivre.org.br/files/2014/10/1143.pdf> Acesso 10 out. 2019.

VALLADARES, L. P. (Org.) Repensando a habitação no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1983.

VELHO, O. G. (2009). Frente de expansão e estrutura agrária: estudo do processo de penetração numa área da Transamazônica. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2009.

Como Citar
LAGO BURNETT, F.; PEREIRA DE SOUZA, C. R.; MONIZ FILHO, M. F. Arquitetura como resistência: Autoprodução da moradia popular no Maranhão. Revista Thésis, Rio de Janeiro, v. 6, n. 12, 2022. DOI: 10.51924/revthesis.2021.v6.336. Disponível em: https://thesis.anparq.org.br/revista-thesis/article/view/336. Acesso em: 19 ago. 2022.