Especulação, segregação e (ausência de) conflitos: matizes na produção do espaço urbano de Palmas/TO

Publicado
2017-10-11

    Autores

  • Ana Carla Bottura

Resumo

O presente artigo introduz discussões parciais da pesquisa doutoral em andamento que tem como objeto de estudo a tendência à pacificação e ocultação de conflitos verificadas no processo de produção do espaço urbano contemporâneo – em específico nas cidades brasileiras mais recentes – bem como suas estratégias e mecanismos de controle. Como campo de estudo, propõe-se a cidade de Palmas, capital do Tocantins, última capital planejada do século XX, fundada em 20 de maio de 1989, ano que simboliza a abertura do mundo ocidental à política econômica neoliberal. Tomando como base a observação da ausência de movimentos expressivos de resistência ao processo de produção do espaço urbano em Palmas e interpretando-a como um reflexo da tendência pacificadora de estabelecimento de consensos e apaziguamento/ocultação de conflitos característica da cidade neoliberal, elabora-se a hipótese da configuração físico-territorial da cidade enquanto um laboratório do modelo neoliberal de gestão urbana, no qual se explicitam e se realizam, de maneira imediata ou em tempo reduzido, dinâmicas socioespaciais desenvolvidas gradualmente nas demais cidades contemporâneas, através de processos historicamente construídos. Através de uma abordagem histórica do contexto da sua criação e ocupação, propõe-se uma leitura da produção do espaço urbano com base no reconhecimento de características relativas às suas condições de Cidade Nova e de cidade neoliberal, bem como da atuação incipiente dos movimentos de luta pela moradia enquanto agentes sociais deste processo.    

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...
Como Citar
BOTTURA, A. C. Especulação, segregação e (ausência de) conflitos: matizes na produção do espaço urbano de Palmas/TO. Revista Thésis, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, 2017. DOI: 10.51924/revthesis.2017.v2.66. Disponível em: https://thesis.anparq.org.br/revista-thesis/article/view/66. Acesso em: 27 jun. 2022.