O Racionalismo Estrutural e as fontes da Arquitetura Moderna Brasileira: método, definições e potencial da pesquisa

Publicado
2017-10-11

    Autores

  • Marcelo Puppi Universidade Estadual de Londrina

Resumo

A pesquisa tem dois objetivos principais: primeiro, ampliar o conhecimento das fontes da teoria e da prática da arquitetura moderna brasileira e, segundo, contribuir para a consolidação da história cultural da arquitetura no Brasil. Estudar o racionalismo estrutural como fonte da arquitetura moderna brasileira não significa apenas aprofundar o conhecimento já em curso sobre esta última, mas também aplicar o método da história cultural ao estudo da história da arquitetura no Brasil. Pois a pesquisa recente sobre o racionalismo estrutural beneficiou-se do método da história cultural e é parte da nova história da arquitetura do século XIX elaborada a partir de 1990 aproximadamente. Nesse contexto, a própria definição de racionalismo estrutural é ampliada e aprofundada. Ao invés de significar simplesmente uma relação de causa e efeito entre estrutura e arquitetura na qual a estrutura é um dos fins da arquitetura, o racionalismo estrutural passou a ser compreendido como parte da nova concepção dinâmica e orgânica da arquitetura que emerge no século XIX, para a qual, particularmente, a estrutura é o meio capaz de gerar plenamente a unidade orgânica da forma. Nessa perspectiva, demonstrar que o racionalismo estrutural é uma das fontes, e mais precisamente uma das grandes fontes da arquitetura moderna brasileira, permite aprofundar o conhecimento tanto dos pressupostos teóricos quanto das qualidades formais dessa arquitetura. Bem como, consequentemente, de questões mais gerais como o método de composição e o papel cultural da arquitetura que interessam hoje e sempre à teoria e à prática da arquitetura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

CHARTIER, Roger. Au Bord de la Falaise. L’Histoire entre certitudes et inquiétude. Paris: Albin Michel, 1998.

COMAS, Carlos Eduardo. “O encanto da contradição: Conjunto da Pampulha, de Oscar Niemeyer”. Arquitextos, texto especial 011, setembro de 2000, http://www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq000/esp011.asp.

COMAS, Carlos Eduardo. “Moderna (1930 a 1960)”. In: MONTEZUNA, Roberto (Org.). Arquitetura Brasil 500 anos. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2002, v. 1.

GUERRA, Abílio (Org.). Textos Fundamentais sobre História da Arquitetura Moderna Brasileira. São Paulo: Romano Guerra, 2010, v. 1.

LOYER, François (Org). L’Architecture, les Sciences et la Culture de l’Histoire au XIXe Siècle. Saint-Etienne: Publications de l’Université de Saint-Etienne, 2001.

PUPPI, Marcelo. Por uma História Não Moderna da Arquitetura Brasileira. Campinas: Pontes/CPHA-IFCH-Unicamp, 1998

PUPPI, Marcelo. “A nova história do século XIX e a redescoberta da dimensão imaginária da arquitetura”. Arquitextos, n. 058.02, março 2005, http://www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq058/arq058_02.asp.

PUPPI, Marcelo. “Do século XIX ao XX. O papel da história na representação e na prática da arquitetura”. 19&20, v. VII, n. 2, abril/junho 2012, http://www.dezenovevinte.net/artedecorativa/mpuppi_representacao.htm.

PUPPI, Marcelo. “L’imagination des phares chez Léonce Reynaud”. Livraisons d’histoire de l’architecture, v. 24, dezembro 2012, pp. 63-83.

PUPPI, Marcelo. La Dimension Culturelle du Rationalisme Structurel. Architecture, histoire et utopie chez Léonce Reynaud, Fernand de Dartein et Auguste Choisy. Tese de Doutorado. Paris: Universidade de Paris 1 Panthéon-Sorbonne, 2013.

Como Citar
PUPPI, M. O Racionalismo Estrutural e as fontes da Arquitetura Moderna Brasileira: método, definições e potencial da pesquisa. Revista Thésis, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, 2017. DOI: 10.51924/revthesis.2017.v2.72. Disponível em: https://thesis.anparq.org.br/revista-thesis/article/view/72. Acesso em: 1 out. 2022.