Futuro e futurabilidade

Regimes de historicidade, crítica do design, da arquitetura e da cultura — da modernidade à abertura dos possíveis

Publicado
2023-12-21
Palavras-chave: futuro, futurabilidade, regimes de historicidade, modernidade future, futurability, regimes of historicity, modernity futuro, futurabilidad, regímenes de historicidad, modernidad

    Autores

  • Mário Victor M. Margotto Universidade Federal do Espírito Santo
  • Clara Luiza Miranda Universidade Federal do Espírito Santo

Resumo

O artigo relaciona dimensões temporais, historicidades, crítica de arquitetura e setores relacionados. Buscamos compreender as modulações de temporalidades coexistentes, que designam posições distintas nas disputas no campo historiográfico, tanto na modernidade como na contemporaneidade. Duas inflexões no regime de historicidade vigente motivaram essa reflexão. A primeira, denominamos historicista, com franca contraposição ao ímpeto futurista anterior. A segunda inflexão que está em disputa no campo seria: presentismo, atualismo e/ou futurabilidade. Mostramos a predominância de um presente-futuro ou uma iminência do futuro na Modernidade, que parece persistir, no período contemporâneo, de modo pluriversal, intercultural e pró-comum. Observamos uma possível transição do regime de historicidade da Modernidade, derivada de sua evidente crise, aliada à irracionalidade do capitalismo — por meio do presentismo e do atualismo. Tais processos propiciam a abertura dos possíveis da futurabilidade, pois é a formação da cultura moderna capitalista que se expressa por meios desfuturizantes, sendo um obstáculo ao reconhecimento de cronologias plurais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ARGAN, G. C. História da Arte como História da Cidade. São Paulo. Martins Fontes, 1992.

ARGAN, G. C. A História na Metodologia do Projeto. Revista Caramelo, São Paulo, n. 6, 1993. pp. 156-170.

BERARDI, F. Depois do futuro. São Paulo: Ubu, 2019.

DUSSEL, E. Europa, modernidade e Eurocentrismo. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. pp. 25-34.

ESCOBAR, A. Autonomía y diseño: la realización de lo comunal. Popayán: Universidad del Cauca. Sello Editorial, 2016.

FLUSSER, V. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

FRY, T. Defuturing: a new design philosophy. London: Bloomsbury, 2020. DOI: https://doi.org/10.5040/9781350089563

GIEDION, S. Espaço, Tempo e Arquitetura, o desenvolvimento de uma nova tradição. São Paulo, Martins Fontes: 2014.

HABERMAS, J. O discurso filosófico da Modernidade. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

HARAWAY, D. Seguir con el problema: generar parentesco en el Chthuluceno. Traducción de Helen Torres. Bilbao: Consonni, 2019.

HARTOG, F. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

HEYNEN, H. Architecture and modernity: a critique. Cambridge: MIT Press, 1999.

HUYSSEN, A. Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

KOSELLECK, R. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LAPOUJADE, D. Desprogramar o futuro. In: NOVAES, A. (Org.). O futuro não é mais o que era. São Paulo: Edições SESC, 2013. pp. 233-246.

LAPOUJADE, D. Deleuze, os movimentos aberrantes. São Paulo: n-1 edições, 2015.

MASSEY, D. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

PEREIRA, M. H. F. Lembrança do presente. Belo Horizonte: Autêntica Editora. 2022.

PEREIRA, M. H. F.; ARAÚJO, V. L. de. Reconfigurações do tempo histórico: presentismo, atualismo e solidão na Modernidade digital. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 23, n. 1 e 2, jan./dez 2016. pp. 270-297. DOI: https://doi.org/10.35699/2316-770X.2016.2770

PEREIRA, M. H. F.; ARAÚJO, V. L. de. Atualismo 1.0: como a ideia de atualização mudou o século XXI. 2. ed. Vitória: Editora Milfontes/Mariana: Editora da SBTHH, 2019.

RODRIGUES, T. de O. Apresentação — Reinhart Koselleck: uma latente filosofia do tempo. In: KOSELLECK, Reinhart. Uma latente filosofia do tempo. Organização de Thamara de Oliveira Rodrigues. São Paulo: Editora Unesp, 2021. pp. 8-48.

VIDLER, A. Uma teoria sobre o estranhamente familiar. In: NESBITT, K. (Org.). Uma nova agenda para a arquitetura. Antologia teórica 1965-1995. São Paulo: Cosac Naify, 2006. pp. 617-622.

WIGLEY, M. A desconstrução do espaço. In. SCHNITMAN, D. F. (Org.). Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996, pp. 152-166.

Como Citar
MARGOTTO, M. V. M.; MIRANDA, C. L. Futuro e futurabilidade: Regimes de historicidade, crítica do design, da arquitetura e da cultura — da modernidade à abertura dos possíveis. Revista Thésis, Rio de Janeiro, v. 8, n. 16, 2023. DOI: 10.51924/revthesis.2023.v8.396. Disponível em: https://thesis.anparq.org.br/revista-thesis/article/view/396. Acesso em: 15 jun. 2024.