Vicissitudes da liberdade disciplinar: contribuições para uma discussão crítica sobre o ensino do projeto de arquitetura

Publicado
2021-12-20
Palavras-chave: ensino, projeto, escola, pesquisa teaching, project, school, search enseñando, proyecto, colegio, buscar

Resumo

O presente artigo aborda a questão do ensino de projeto à luz dos referenciais de liberdade disciplinar que o governam. Toma como estudo de caso o ensino praticado na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, construindo uma crítica à tradição programática herdada do funcionalismo que essa escola ajudou a difundir no Brasil. Para tanto, recorre a uma série de exemplos internacionais que vêm associando a pesquisa com o ensino de projeto, apontando assim para uma nova e promissora forma liberdade disciplinar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

AURELI, Pier Vittorio. The Dom-Ino Problem: Questioning the Architecture of Domestic Space, Log, nº30 (Winter 2014), pp. 153-168.

BARTHES, R. La mort de l’auteur, Mantéia, nº 5, 1968, p. 12-17.

CHUIHUA, J. C. et al. (eds.). Harvard Design School Guide to Shopping. Cambridge, Mass.: Harvard Design School, 2001.

COMAS, C. E.: Projeto Arquitetônico, Disciplina em Crise, Disciplina em Renovação. São Paulo: Projeto, 1986.

FAVERO, M. O.. Dos mestres sem escola a escola sem mestre. Rio de Janeiro: Programa de Pós-graduação em Arquitetura, FAU-UFRJ (tese de doutorado em arquitetura), 2009.

FOUCAULT, M. Ordem do discurso. Aula inaugural no Collège de France pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 1999 (Ed. Original Paris, Gallimard, 1971).

KOOLHAAS, R. Nova York Delirante: um manifesto retroativo para Manhattan. Barcelona: G. Gili, 2011. (Tradução de: Delirous New York: A Retroactive Manifesto for Manhattan, 1978).

KOOLHAAS, R. Rem Koolhaas. Interview with Jennifer Sigler. Index Magazine, 2000, www.indexmagazine.com/interviews/rem_koolhaas.shtml. Data de acesso: 30/11/2020.

KOPP, A. Quando o moderno não era um estilo e sim uma causa. São Paulo: Nobel, 1990.

MARQUES, E. Estruturas do discurso jornalístico. In Conceição, F. (Org.). Entrevozes: enredos institucionais e midiáticos. São Luís: Edufma, 2008, p. 25-41.

VENTURI, R.; et al. Aprendendo com Las Vegas. O simbolismo (esquecido) da forma arquitetônica. Chicago: Ivan R. Dee, 1997 (Tradução de: Learning from Las Vegas, 1972)

WALKER, Enrique. “Retroactive Manifestos”, in BUCKLEY, Craig (ed.). After the manifesto. Writing, architecture, and media in a new century. Nova York: GSAPP, 2011, pp. 140-150.

IBARZ, V.; VILLEGAS, M. El método paranoico-crítico de Salvador Dalí. Revista de História de la Psicología, vol. 28, nº 2/3, 2007, p. 107-112.

YANEVA, A. Made by the Office for Metropolitan Architecture: an ethnography of design. Rotterdam: 010 Publishers, 2009.

Como Citar
LASSANCE, G. Vicissitudes da liberdade disciplinar: contribuições para uma discussão crítica sobre o ensino do projeto de arquitetura. Revista Thésis, Rio de Janeiro, v. 6, n. 11, 2021. DOI: 10.51924/revthesis.2021.v6.242. Disponível em: https://thesis.anparq.org.br/revista-thesis/article/view/242. Acesso em: 16 jan. 2022.